Peruíbe (13) 3451-7000 | Itanhaém (13) 3421-9999

Imprensa
Endocrinologista do Centro Clínico Peruíbe fala sobre a especialidade e dicas para viver com Qualidade

02/08/2018

Dra. Anete Hannud Abdo (CRM 34240), Especialista em Endocrinologia e Metabologia pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), doutorada na área pela Faculdade de Medicina da USP, atende todas as segundas-feiras no Centro Clínico. Confira entrevista com a médica e leia dicas importantes para sua saúde e qualidade de vida.

 

Dentro da área de Endocrinologia, quais os casos mais frequentes atendidos (obesidade, problemas na tireoide, diabetes, reposição hormonal...)? Quais os distúrbios mais evidenciados?

 
Dra. Anete - Na área da endocrinologia, diabetes, doenças da tireoide, excesso de peso e alterações do colesterol e das triglicérides são os problemas mais comuns, mas o endocrinologista também cuida de distúrbios de outras glândulas, por exemplo, hipófise, paratireoides e suprarrenais.
 

Quais sinais indicam para o paciente que é hora de procurar um endocrinologista?

 
Dra. Anete - Os sinais e sintomas que sugerem que é hora de procurar um endocrinologista são muito variados, dependendo do problema endocrinológico que a pessoa apresenta. Alguns exemplos desses sinais e sintomas são: aumento ou perda de peso, cansaço, palpitações, sentir muito frio ou muito calor, insônia ou sonolência, aumento de volume na região anterior do pescoço, agitação ou depressão, urinar em excesso, muita sede, infecções frequentes, diminuição de força muscular, disfunção sexual, alterações menstruais, excesso de pelos, queda de cabelos, estrias avermelhadas e outras alterações da pele, pressão arterial alta ou baixa, osteoporose, excesso de colesterol e triglicérides, saída de leite das mamas fora do período de amamentação, dores de cabeça, distúrbios da visão, aumento do tamanho de mãos e pés, acne, alterações do ritmo intestinal, e muitos outros. Como você pode ver, muitos desses sinais e sintomas são inespecíficos, ou seja, podem aparecer em doenças não endócrinas. Por isso é muito importante fazer a avaliação clínica com o endocrinologista, e evitar o autodiagnóstico baseado no “Google” e a automedicação.
 

Endocrinologia e Equilíbrio Hormonal do Corpo estão muito ligados, correto? Quais as orientações para os pacientes no que se refere ao Equilíbrio dos Hormônios? Existem medidas que contribuem para isso?

Dra. Anete - Nossos hormônios precisam estar em perfeito equilíbrio para que tudo funcione adequadamente no nosso corpo. É como um ecossistema, em que a alteração de um hormônio afeta todos os demais. Corrigir adequadamente as deficiências ou excessos e evitar o uso indiscriminado de hormônios sem controle médico são atitudes fundamentais para mantermos nosso equilíbrio hormonal e nossa saúde. Além disso, sabemos que cada hormônio é produzido e lançado na circulação sanguínea seguindo um ritmo próprio durante as 24 horas do dia, que deve ser respeitado; daí a importância de tomarmos os medicamentos e as reposições hormonais nos horários recomendados, e de mantermos uma rotina diária de horários de alimentação, atividade física e sono.

 

Podemos afirmar que a Endocrinologia atua diretamente na Qualidade de Vida das pessoas. Quais dicas e orientações, dentro deste tema, gostaria de passar para os pacientes?

 
Dra. Anete - Maus hábitos alimentares, sedentarismo e estresse são os grandes vilões da vida moderna: alteram os nossos hormônio e são os maiores responsáveis pela verdadeira epidemia de doenças crônicas que estamos vivenciando. Medicamentos podem ajudar no tratamento de doenças como diabetes, hipertensão arterial, alteração nos níveis de gorduras no sangue, obesidade, doenças cardiovasculares, mas o mais importante, a base da prevenção e do tratamento dessas doenças, são as mudanças que todos nós devemos implementar em nossas vidas, de forma perene: alimentação saudável, atividade física e equilíbrio emocional.
 

Que outras orientações considera importantes?

 
Dra. Anete - Para uma vida saudável, é também importante não deixar que substâncias tóxicas entrem no nosso corpo, pois muitas delas podem interferir no equilíbrio de nossos hormônios. Algumas são invisíveis e pode ser que estejamos introduzindo-as em nosso corpo inadvertidamente, como agrotóxicos, conservantes de alimentos, corantes artificiais, poluentes ambientais, mas outras, como excesso de álcool, cigarro e outras drogas, nós mesmos introduzimos em nosso corpo voluntariamente! Todas devem ser evitadas.

Gestão da Comunicação e Qualidade
Graziela Jabur
comunicacao@centroclinico.com.br

Voltar